Thinking? E onde está o design?

Fases do design thinking. Gráfico de Renan Braga.

Fases do design thinking. Gráfico de Renan Braga.

O que pensamos quando ouvimos “design thinking”? Pensamento do design? Será uma filosofia do design? Serão os processos de design?

Após uma primeira leitura dos artigos de Ricardo Morais no Público e de Bruce Nussbaum no Fast Company, ainda não tinha encontrado a resposta, no entanto o primeiro fala sobre design thinking como “uma nova forma de pensar e de inovar” e o segundo vê o design thinking como obsoleto e até propõe um novo “pensamento”.  Ambos falam da importância do design thinking para a sociedade e o homem. Depois de investigar e reflectir sobre o assunto, apercebi-me que o mais importante aqui é perceber o que é o design e qual a sua importância neste “pensamento”.

No artigo “A Revolução do Design Thinking”, Morais faz um resumo das suas leituras acerca do tema, expondo o design thinking por meio de cinco metáforas. Sendo a primeira, lógica – pensamento analítico e intuição; seguindo-se de sistema – equilibra a desejabilidade humana com  a possibilidade técnica e a viabilidade económica;  processo – passa pelas fases da inspiração, ideação e implementação; inovação – permite projectos que actualizam o mercado actual e, que criam novas ofertas para o utilizador actual ou que adaptam o mercado e, que criam novas ofertas para o utilizador novo; por fim a última metáfora, organização – necessita do compromisso da gestão de topo e co-criação de novos métodos de solucionar os problemas.

Conclui, que o design thinking é “uma nova forma de pensar e de inovar que promete revolucionar a forma como indivíduos, organizações e comunidades resolvem os seus problemas” (Morais, 2013). No seu segundo artigo sobre o tema, depois de ter participado num desafio de design thinking, conclui que este “pensamento” resulta da combinação entre investigação, acção e arte, e que devia denominar-se de “design thinking, dooing [siq] and feeling”.

A experiência de Morais, permitiu-lhe perceber a relevância do design thinking, como se pode verificar de forma clara em projectos de design social, apesar de não procurar o rigor científico. Este processo é válido por si e é importante na medida em que pode ser utilizado nas mais diversas áreas e por equipas diferentes às do design. Ou seja, é um processo ou lógica de condução de um projecto que aparenta ser simples para gestores, marketeers, etc.

Post it de uma sessão de brainstorming, conduzida por Steve Rogalsky.

Post it de uma sessão de brainstorming, conduzida por Steve Rogalsky.

A verdade é que não é tão simples, o design thinking começou por ser implementado de forma consciente e completa, surtindo assim os resultados de um bom trabalho de investigação, dedicação ao problema e feedback. Entretanto o processo foi simplificado e “vendido”, transformado em mais um processo linear, uma moda. Ficando assim fragilizado, tanto a nível de eficácia, quanto do seu valor. “Design consultancies that promoted Design Thinking were, in effect, hoping that a process trick would produce significant cultural and organizational change.” (Nussbaum, 2011).

Pelo que parece, na maioria dos casos, apenas os designers têm maturidade para usar este processo, pois quem não é da área não tem presente a parte do design, que para mim é crucial neste processo. Suponho que as empresas que querem adoptar o design thinking, mas que não têm a consciência do que é o design ou o que significa fazer design, vêem  “design” como algo moderno e o “thinking” como a linha de pensamento que se deve seguir. Se não estiver enganada quanto à esta suposição, então estas entidades foram induzidas em erro e talvez deviam ser elucidadas.

O design não é apenas uma denominação para um objecto bonito ou para uma ferramenta num processo  de procura de soluções, o termo representa o processo em si, uma forma de pensar e encontrar soluções, quer sejam conceptuais ou materiais. No entanto, não pode ser encarado de forma linear e rígida, pelo contrário segue uma lógica flexível e maleável para responder às necessidades de diversos campos e soluções. Esta lógica ou processo tem sido utilizado desde o século XV ou até mais, ao contrário do design thinking, que surgiu no início do século XXI, associado ao livro publicado por Peter Rowe em 1987. Talvez este conceito ajudou a traduzir o que é design para outras áreas, no entanto pelo caminho perdeu-se o significado e a importância do mesmo.

Penso que não é uma “nova forma de pensar”, pelo menos não para os designers, apenas para quem está fora do mundo do Design. De facto contribuíu para que o design se tornasse consciente de sistemas (system-conscious) e fosse implementado nas problemáticas sociais, mas este parece ser o único caso relevante de sucesso, onde não deixaram o design de parte, aliás criaram uma nova vertente – Design Social.

Nussbaum, acredita que o design thinking está obsoleto e que devíamos partir para outro caminho, o de “medir” a criatividade, o que quer que isso signifique. Mas penso que não se deve desistir deste pensamento e incutir mais um para de seguida tornar-se, também, obsoleto. O design thinking pode triunfar desde que os indivíduos e entidades que o irão implementar sejam consciencializados e formados de forma correcta acerca  do design.

————-      ————-      ————-


-MORAIS, Ricardo. “A Revolução do Design Thinking.” Público, 24/07/2013. http://www.publico.pt/economia/noticia/a-revolucao-do-design-thinking-1601137


– MORAIS, Ricardo. “A Revelação do Design Thinking.” Público, 23/10/2013. http://www.publico.pt/sociedade/noticia/a-revelacao-do-design-thinking-1610048


– NUSSBAUM, Bruce. “Design Thinking Is A Failed Experiment. So What’s Next.” FastCompany, 05/04/2011. http://www.fastcodesign.com/1663558/design-thinking-is-a-failed-experiment-so-whats-next


– PATNAIK, Dev. “Forget Design Thinking and Try Hybrid Thinking.” FastCompany, 25/08/2009. http://www.fastcompany.com/1338960/forget-design-thinking-and-try-hybrid-thinking


– Dicioário online Merriam Webster. http://www.merriam-webster.com/dictionary/design


Teaser do filme “Design & Thinking”, 2012. http://designthinkingmovie.com


– Design is History. http://www.designishistory.com

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Design, Estudos Contemporâneos em Design com as etiquetas , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s